domingo, 20 de setembro de 2020

Le Podcast du Foot #131 - O time sensação da França

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi/Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Até onde pode ir o Rennes de Camavinga e companhia? (Arte: terradezizou.com.br)

Atual líder da Ligue 1, 3º colocado da temporada passada, com vaga inédita na fase de grupos da UEFA Champions League garantida, time da jóia Eduardo Camavinga e treinado por um dos mais promissores técnicos da França, Julien Stéphan. Não restam dúvidas: o Rennes é a equipe sensação do país. E engana-se quem pensa que o sucesso dos bretões é ocasional. Há dois anos, o time ergueu a Copa da França e teve o melhor desempenho europeu de sua história, apresentando ao continente alguns talentos como Ismaïla Sarr e Ramy Bensebaini, hoje brilhando em Inglaterra e Alemanha, respectivamente.

O time sensação da França foi dissecado durante a edição #131 de Le Podcast du FootEduardo Madeira conduziu o programa que contou com as análises de Eduardo RamosRenato Gomes, que destacaram as virtudes do Rennes, as possíveis mudanças pro elenco e falaram da expectativa para o debute rubro-negro na maior competição continental da Europa.
 

OUÇA O MATERIAL NO DISPLAY ABAIXO:
 Agora, o material também pode ser assinado via ITUNESSPOTIFY e no GOOGLE PODCASTS!!!

Comente também no site do Eduardo Madeira e na minha coluna do Globoesporte.com! Ahh... passe lá na fan page da Ligue 1 Brasil no Facebook também!

Passe aqui depois e me diga o que achou. Deixe seu pitaco, sua dica, sua reclamação e também a sua pergunta. Você pode ter seu nome lido no programa. Seja corneteiro. Faça parte do podcast!


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Em mais uma atuação apagadíssima, Lyon não sai do zero em casa, diante do Nîmes

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


O jogo marcou a estreia dos jovens Rayan Cherki e Malvin Bard começando na formação inicial do time, como titular. Diomandé, que entrou no segundo tempo, também debutou




A saga do Lyon continuava nessa sexta-feira. Mais uma vez, pela terceira semana consecutiva, o clube era o responsável por abrir a rodada do Campeonato Francês, sendo o protagonista da partida de sexta-feira. Carregando consigo outros três jogos na bagagem, venceu a primeira, empatou a segunda e perdeu a terceira. Diante do Nîmes, tinha a oportunidade de reencontrar as vitórias e fazer um agrado ao limitado público de no máximo cinco mil pessoas que estavam presentes no Groupama Stadium.

Para isso, o técnico Rudi Garcia mudou tudo. Abdicou daquele 3-5-2 que vinha utilizando desde a reta final da Liga dos Campeões e preparou um time mais apropriado ao elenco que tinha em mãos, principalmente com as ausências de Aouar e Reine-Adélaïde. O time voltava ao 4-4-2. Andersen acabou ficando de fora do miolo de zaga. Na esquerda, Melvin Bard começava jogando. Outro que jogava era o também jovem Cherki. Na frente, Dembélé também voltava aos titulares. Veja a formação:




Já o Nîmes tinha uma missão um pouco mais modesta. O time já entrava em campo sabendo da sua inferioridade técnica, mas ao mesmo tempo se portava como franco atirador. Sair de Lyon com ao menos um pontinho já poderia ser considerado um feito e tanto. Ainda mais pelo fato do técnico Arpinon ter muito desfalques importantes para o confronto, como o lateral Meling, o zagueiro Martinez, o volante Deaux, o meia Philippoteaux e o centroavante Koné. Isso forçou, inclusive uma possível estreia do atacante Marco Majounga, que começava no banco. Assim ficou escalado os Crocodilos:




Após o apito inicial do árbitro Amaury Delerue, o jogo provava que poderia ter potencial de ser intenso. Boas chances criadas de lado a lado. Cornet e Dembélé criando boas finalizações para o OL e Fomba e Ripart fazendo o mesmo pelos times visitantes. Inclusive, o chute de Ripart chegou a tocar o travessão ainda antes dos primeiros dez minutos de bola rolando. Lopes já estava batido no lance, que não entrou por capricho.

Passado o momento de euforia, o jogo diminuiu o ritmo e acabou pisando um pouco no freio. O Lyon, no comecinho, parecia muito exposto com essa formação tática que tinha um zagueiro a menos do time que vinha jogando no habitual. Demorou um pouco para conseguir encaixar e achar um modelo de jogo, principalmente sem a bola, que não o fizesse sofrer tanto. Enquanto isso, Cherki era uma lufada de talento e resolvia praticamente tudo na parte ofensiva.


Mesmo com o talento latente de Cherki, uma coisa que parecia latente antes do jogo iniciar, parecia cada vez mais clara: o Lyon sente bastante a falta de Houssem Aouar no meio de campo. A ligação técnica do meio de campo com o ataque praticamente some quando ele não está presente. A suspensão do atleta, expulso na última terça-feira, desequilibrava muito a qualidade no meio de campo do Lyon e não permitia uma ofensividade mais criativa do clube.

Esse papel criativo, inclusive, poderia ser feito pelo Bruno Guimarães, mas Rudi Garcia insiste em utilizar o brasileiro jogando fora da sua posição de origem, um pouco mais recuado, como se fosse o clássico camisa cinco, sendo que ele precisa ser o “camisa 8”, com liberdade de criação, pra carregar a bola e para avançar. E esse papel acabava ficando mais com Caqueret do que com ele, o que acaba sendo um desperdício.


Já perto do fim da primeira etapa, os dois times conseguiram chances quase um dois do outro. Primeiro, o Lyon conseguiu uma oportunidade depois de um escanteio. No rebote, a bola caiu nos pés de Memphis Depay, que descolou um passe para Bruno Guimarães. O brasileiro viu o clarão e resolveu bater da entrada da área. O chute acabou sendo desviado no meio do caminho e tomou a linha de fundo como destino.

A resposta acabou aparecendo de forma imediata, quase que no lance seguinte. O Nîmes arrancou um contra-ataque pelo lado direito do seu ataque e foi avançando com Zinedine Ferhat, que chegou também até a entrada da área. Quando viu que estava sozinho, decidiu bater dali mesmo. Foi definitivamente a melhor opção. A bola tinha o ângulo esquerdo de Lopes como destino, mas o goleiro dos Gones conseguiu salvar com a ponta dos dedos.


Para a volta do intervalo, os dois times apareceram com mexidas. O Nîmes trocou Duljevic por Roux. Um atacante por outro. No OL, a mexida também foi parecida. Cornet, que hoje atuou como ponta mais aberto, dava lugar a Toko Ekambi. Pouco tempo depois, outras trocas nas equipes. Pelo Lyon, Diomandé estreava improvisado, jogando na direita, no lugar de Dubois. No time visitante, Sarr deixava o campo para dar lugar a Ahlinvi.

O jogo morno não se sustentava. O Lyon tinha enormes dificuldades para finalizar. Não tinha paciência alguma para trabalhar a bola e, consequentemente, não criava oportunidades. A falta de pressa em Sarr ao deixar o campo na hora da substituição também mostrava que o Nîmes estava plenamente satisfeito com o 0 a 0 e também já nem causava perigos no ataque. Claro, jogando por uma bola e esperando o contra-ataque.


Rudi Garcia mexia de novo aos 17’ do segundo tempo. Era a terceira troca na partida. Colocava Jean Lucas no lugar de Caqueret. Mas obviamente não seria o suficiente para fazer o que precisava ser feito. Memphis Depay muito apagado, bem como Cherki – no segundo tempo, deixavam a sensação para o torcedor de que o gol teria muitas dificuldades em aparecer. Não parecia ser um dia com pacto com as redes.

Já perto do fim, começou aquele tradicional “futebol na base do abafa”. O time praticamente todo depois do meio de campo. O Nîmes todo recuado dentro da sua área assistindo o OL rodear a bola de lá pra cá para tentar criar ou furar algum espaço na defesa. Muitos cruzamentos e chuveirinhos na área para ninguém conseguir aproveitar. Era um festival de bolas sem rumo e desperdícios de jogadas.


Aos 41’ do segundo tempo, Rudi Garcia fez sua última mexida, colocando mais um atacante. Kadewere substituía Cherki. Se a pressão era grande, mas não tinha muita agressividade, agora o OL perdia seu último respiro técnico. Ainda assim, o OL quase conseguiu fazer o gol de honra aos 44’, quando o próprio Kadewere apareceu livre na área e cabeceou um bom cruzamento que Memphis Depay conseguiu de escanteio. Reynet defendeu e salvou o Nîmes.

O árbitro Delerue chegou a colocar cinco minutos de acréscimos – até pouco se for levar em conta o tanto de cera que jogadores do Nîmes fizeram durante toda a segunda etapa. Mas nem mesmo se ele desse 20 minutos iria mudar o cenário do jogo. O OL parecia um time “morto-vivo” em campo e sem qualquer poder de fogo para alterar o placar, que permaneceu em branco até o fim.


Finalmente agora o Lyon se abdica desses jogos na sexta-feira e parte para um novo dia na próxima rodada. Vai enfrentar o Lorient, fora de casa, no dia 27 de setembro, ao meio dia. A partida será válida pela 5ª rodada do Campeonato Francês. E até lá, o OL vai ter uma semana e alguns dias para corrigir erros mostrados no duelo de hoje. Horário marcado então? Até lá!

FOTOS: France Football | ol.fr | Getty Images
CAMPINHOS: DAZN Alemanha


MELHORES MOMENTOS:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

quinta-feira, 17 de setembro de 2020

Ligue 1 20/21 | 4ª Rodada - Lyon x Nîmes

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais




Três jogos realizados pelo Lyon na temporada: uma vitória, um empate e uma derrota, exatamente nessa ordem. Com uma janela bastante movimentada nos últimos dias, principalmente de jogadores deixando o clube - o momento do OL não é dos melhores. Nos dois últimos jogos, não saiu do zero contra o Bordeaux e ainda perdeu na última terça-feira para Montpellier, em partida adiada da 1ª rodada. A busca por resultados melhores já começa a aparecer e a oportunidade é de reverter o quadro já diante do Nîmes, principalmente por ser um jogo em casa.

Para a abertura dessa 4ª rodada, Rudi Garcia tem os desfalques de Jeff Reine-Adélaïde, ainda com dores na panturrilha desde a data Fifa, quando se contundiu pela França sub-21, além de Houssem Aouar, expulso ainda na primeira etapa da partida anterior. A saída do meia articulador da equipe abre um rombo no meio de campo, já que nenhum outro jogador faz o mesmo tipo de jogo, o que pode provocar uma mudança tática nas escolhas que Rudi vem fazendo recentemente. Sair da formação com três zagueiros? Jogar com uma segunda linha de quatro? Tudo é possível, mas o mistério segue no ar.

Já o Nîmes, depois de estrear na Ligue 1 batendo o Brest por 4 a 0, acabou sofrendo duas derrotas seguidas. Perdeu para o Nantes e Rennes. Para não entrar num parafuso e projeção de crise, o técnico Jérôme Arpinon quer ao menos arrancar um ponto desse confronto, mas não terá missão fácil, já que terá cinco desfalques para esse duelo, sendo a maioria deles titulares. Não viajaram o lateral Meling, o zagueiro Martinez, o volante Deaux, o meia Philippoteaux e o centroavante Koné. Isso forçou, inclusive uma possível estreia do atacante Marco Majounga.

O confronto entre Nîmes e Lyon acontece nesta sexta-feira (18/09), às 16h do horário de Brasília. No Brasil, por enquanto nenhuma emissora fechou com o Campeonato Francês, portanto, não haverá transmissão. Abaixo, confira os relacionados e as prováveis escalações dos dois times.



LYON

GOLEIROS: Anthony LOPES e Anthony RACIOPPI;
LATERAIS: Léo DUBOIS, Melvin BARD e Youssouf KONÉ;
ZAGUEIROS: MARCELO, Jason DENAYER, Joachim ANDERSEN e Sinaly DIOMANDÉ;
VOLANTES: Maxence CAQUERET, JEAN LUCAS. BRUNO GUIMARÃES e THIAGO MENDES;
MEIAS: -;
ATACANTES: Maxwel CORNET, Moussa DEMBÉLÉ, Rayan CHERKI, Karl TOKO EKAMBI, Memphis DEPAY e Tino KADEWERE;
TÉCNICO: Rudi GARCIA;
DESFALQUESHoussem AOUAR e Jeff REINE-ADÉLAÏDE

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Lopes | Andersen, Marcelo e Denayer | Dubois, Caqueret, Bruno Guimarães e Cornet | Memphis Depay, Toko Ekambi e Dembélé



NÎMES

GOLEIROS: Baptiste REYNET e Lucas DIAS;
LATERAIS: Gaëtan PAQUIEZ, Florian MIGUEL e Renaud RIPART;
ZAGUEIROS: Anthony BRIANÇON, Loïck LANDRE e Kelyan GUESSOUM;
VOLANTES: Sidy SARR, Andrés CUBAS, Lamine FOMBA e Mattéo AHLINVI;
MEIAS: Zinedine FERHAT, Lucas BUADES, Yassine BENRAHOU e Haris DULJEVIC;
ATACANTES: Nassim CHADLI, Marco MAJOUNGA, Nolan ROUX e Kévin DENKEY;
TÉCNICO: Jérôme ARPINON;
DESFALQUES: Birger MELING, Pablo MARTINEZ, Lucas DEAUX, Romain PHILIPPOTEAUX e Moussa KONÉ

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Reynet | Paquiez, Briançon, Landre e Miguel | Cubas e Fomba | Ferhat, Benrahou e Ripart | Denkey


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

terça-feira, 15 de setembro de 2020

Diante do Montpellier, em partida adiada da primeira rodada do Francês, Lyon perde a primeira na temporada

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Expulsão injusta do meia Houssem Aouar, ainda no primeiro tempo, contribuiu decisivamente para o resultado negativo




TEXTO ADAPTADO DE: Terra/Lance
O Lyon tropeçou pela segunda vez consecutiva no Campeonato Francês, mas desta vez perdeu fora de casa para o Montpellier por 2 a 1. O time mandante contou com uma ótima noite de Savanier, autor dos dois tentos da equipe, e com a expulsão de Aouar ainda no primeiro tempo para garantir os três pontos.

Na primeira etapa, o Montpellier aproveitou todos os erros do Lyon para começar a construir o placar da vitória da partida. Aos 38 minutos, Savanier sofreu pênalti em jogada de cruzamento na área e convertou com uma cavadinha. Já no final dos primeiros 45 minutos, Auoar fez falta muito perigosa e foi expulso direto.


Com um a mais em campo, o time mandante aproveitou para se lançar mais ao ataque e tentar ampliar o placar. Em noite iluminada, Savanier recebeu passe dentro da área e finalizou no canto sem chances para o goleiro Lopes logo aos 14 da segunda etapa.

PRESSÃO

Com resultado adverso, o Lyon tentou pressionar e teve boas oportunidades no segundo tempo em escanteios e cabeçadas dos zagueiros Marcelo e Andersen. Depay parou no goleiro Omlin após cobrança de falta, mas o holandês descontou de pênalti no fim da partida. No lance, o zagueiro Hilton recebeu cartão vermelho, mas os visitantes não conseguiram empatar, apesar das tentativas.


TEXTO ADAPTADO DE: Terra/Lance
FOTOS: mhscfoot.com | ol.fr

Montpellier (5-3-2): Omlin | Souquet, Pedro Mendes, Hilton, Congré e Ristic | Le Tallec, Ferri (Mollet, 63') e Savanier (Chotard, 75') | Delort (Mavididi, 63') e Laborde (Sambia, 86')

Lyon (3-4-3): Lopes | Andersen, Marcelo e Denayer (Bard, 68') | Dubois, Caqueret, Bruno Guimarães (Jean Lucas, 55') e Cornet (Dembélé, 75') | Toko Ekambi (Cherki, 68'), Aouar e Kadewere (Memphis Depay, 55')

Gols: Savanier (38' e 59') | Memphis Depay (82')

Cartão Vermelho: Aouar (44') e Hilton (81')


MELHORES MOMENTOS:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

segunda-feira, 14 de setembro de 2020

Ligue 1 20/21 | 1ª Rodada - Montpellier x Lyon

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais




A temporada começou confusa para o Lyon. Enquanto todos os times franceses se preparavam para começar os jogos da Ligue 1, o OL e o PSG ainda focavam suas forças na reta final da Liga dos Campeões. Por isso, para os Gones, a primeira rodada foi adiada e será realizada na tarde desta terça-feira, diante do Montpellier, no Stade de La Mosson. Depois de vencer o Dijon por 4 a 1, o amargo empate diante do Bordeaux colocou panos quentes na empogação do OL, que também vem diminuindo com as frequentes saídas de jogadores na atual janela.

O Montpellier, que nada tem a ver com isso, quer manter o embalo, depois de emplacar um surpreendente 3 a 1 diante do Nice, na rodada anterior. O técnico Michel Der Zakarian começou com o pé esquerdo, quando não conseguiu fazer seus comandados vencer o Rennes no primeiro embate da temporada, mas depois se recuperou e agora contará com o seu elenco completo, sem qualquer desfalque, para fazer valer seu poder no Stade de La Mosson, que deverá receber uma capacidade máxima de 5 mil espectadores em função do retorno gradual da pandemia.

Por sua vez, o Lyon vem com um desfalque um tanto quanto improvável. Thiago Mendes sofreu um leve acidente de carro e ficou de fora da viagem do time. Além dele, ainda com uma lesão na panturrilha, Jeff Reine-Adélaïde segue ausente. Bertrand Traoré, negociando sua ida para o Aston Villa também não está com o time, mas Memphis Depay, que também parece estar fechando com o Barcelona, segue confirmado e deve jogar. Aouar, que começou a última partida no banco, se recuperando do COVID-19, deve agora começar jogando.

O confronto entre Bordeaux e Lyon acontece nesta terça-feira (14/09), às 16h do horário de Brasília. No Brasil, por enquanto nenhuma emissora fechou com o Campeonato Francês, portanto, não haverá transmissão. Abaixo, confira os relacionados e as prováveis escalações dos dois times.



LYON:

GOLEIROS: Anthony LOPES e Anthony RACIOPPI;
LATERAIS: Léo DUBOIS, Melvin BARD e Youssouf KONÉ;
ZAGUEIROS: MARCELO, Jason DENAYER, Joachim ANDERSEN e Sinaly DIOMANDÉ;
VOLANTES: Maxence CAQUERET, JEAN LUCAS e BRUNO GUIMARÃES;
MEIAS: Houssem AOUAR;
ATACANTES: Maxwel CORNET, Moussa DEMBÉLÉ, Rayan CHERKI, Karl TOKO EKAMBI, Memphis DEPAY e Tino KADEWERE;
TÉCNICO: Rudi GARCIA;
DESFALQUESThiago MENDES e Jeff REINE-ADÉLAÏDE

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Lopes | Andersen, Marcelo e Denayer | Dubois, Caqueret, Bruno Guimarães, Aouar e Cornet | Memphis Depay e Dembélé



MONTPELLIER

GOLEIROS: Jonas OMLIN e Dimitry BERTAUD;
LATERAIS: Arnaud SOUQUET, Ambroise OYONGO e Mihailo RISTIC;
ZAGUEIROS: PEDRO MENDES, Daniel CONGRÉ, Nicolas COZZA e Vitorino HILTON;
VOLANTES: Jordan FERRI, Junior SAMBIA, Damien LE TALLEC e Joris CHOTARD;
MEIAS: Téji SAVANIER, Keagan DOLLY e Florent MOLLET;
ATACANTES: Il-Iok YUN, Andy DELORT, Gaëtan LABORDE e Stephy MAVIDIDI;
TÉCNICO: Michel DER ZAKARIAN;
DESFALQUES: P

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Omlin | Pedro Mendes, Hilton e Congré | Souquet, Ferri, Le Tallec, Savanier e Ristic | Delort e Laborde


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 13 de setembro de 2020

Le Podcast du Foot #130 - França arranca bem na Nations League

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi/Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Suécia e Croácia não foram bons o suficentes para segurar a força Bleu (Arte: terradezizou.com.br)

Dois jogos, duas vitórias. Talvez as atuações não tenham agradado a torcida, mas a seleção francesa cumpriu seu papel na arrancada da UEFA Nations League. Em Solna, um magro 1 a 0 diante da Suécia, já em Saint-Denis, um ar de dèja vu contra a Croácia após a repetição do 4 a 2, mesmo placar da final da Copa do Mundo de 2018. Com os 6 pontos, os comandados de Didier Deschamps dividem a liderança do Grupo 3 após duas rodadas com a seleção portuguesa, que também venceu seus dois compromissos.

Na edição #130 de Le Podcast du Foot, Eduardo Madeira e Renato Gomes analisam os pontos positivos e negativos da arrancada francesa na UEFA Nations League. O esquema com três zagueiros agradou? A lateral direita continua sendo uma carência? E Camavinga veio para ficar? Estes são apenas alguns dos tópicos que centralizaram as discussões.
 

OUÇA O MATERIAL NO DISPLAY ABAIXO:
 Agora, o material também pode ser assinado via ITUNESSPOTIFY e no GOOGLE PODCASTS!!!

Comente também no site do Eduardo Madeira e na minha coluna do Globoesporte.com! Ahh... passe lá na fan page da Ligue 1 Brasil no Facebook também!

Passe aqui depois e me diga o que achou. Deixe seu pitaco, sua dica, sua reclamação e também a sua pergunta. Você pode ter seu nome lido no programa. Seja corneteiro. Faça parte do podcast!


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sexta-feira, 11 de setembro de 2020

Lyon visita Bordeaux e times não saem do zero no placar na abertura da 3ª rodada da Ligue 1

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Aouar, que entrou no segundo tempo, foi quem criou a chance mais perigosa do jogo: uma bola na trave




Depois da rápida pausa para dar vasão aos jogos de Data Fifa, em especial a Liga das Nações, o Lyon retomou seu calendário normal e entrou em campo hoje pela 3ª rodada do Campeonato Francês. No entanto, este era apenas o segundo jogo do clube pela competição, já que teve sua primeira partida – que em tese seria a de estreia – adiada por causa do avanço na Liga dos Campeões. O adversário era o Bordeaux, que abria as portas do Matmut Atlantique para tentar manter sua invencibilidade de uma vitória e um empate e seguir começando a Ligue 1 com o pé direito.

Para esse duelo, Jean-Louis Gasset preparou um time com uma escalação teoricamente ofensiva, principalmente se comparado ao que o Lyon trazia para o jogo. Montado no 4-2-3-1, sem a presença de Zerkane e do brasileiro Pablo, outro brasileiro fazia às honras no time principal. O volante Otávio começava jogando, fazendo dupla com Basic. Destaque também para a zaga girondina, formada pelos mega experientes Baysse e Koscienly. No banco, preparado para cometer a lei do ex, estava Jimmy Briand. Veja os 11 iniciais do Bordeaux:


O Lyon, ainda embalado pela sequência que conseguiu emplacar na Liga dos Campeões, não abdicou da sua formação montada com três defensores. Sem Marçal, negociado no começo da semana com o Wolves, Andersen acabou assumindo a posição no trio de zaga pelo lado esquerdo. No meio, Aouar – se recuperando de um teste positivo de COVID-19 – acabou sendo preterido e começava no banco de reservas. Sendo assim, Rudi Garcia não entrou no 3-5-2 e preferiu um 3-4-3, colocando novamente o trio Memphis Depay, Toko Ekambi e Dembélé. Para ausência nesse jogo, somente Reine-Adélaïde, com problema na panturrilha. Assim entrou o OL em campo:


Quando o árbitro Ruddy Buquet apitou para iniciar o jogo, aquela postura ofensiva que se esperava do Bordeaux, somente vendo a tática pré-jogo, não aconteceu. Muito rapidamente o OL mostrou quem mandava realmente na partida. Rondava a área girondina em busca de um espaço para penetrar, mas o time bem fechadinho de Gasset não dava muitos espaços para essas incursões.

O método mais eficiente talvez fossem os cruzamentos. Cornet quase achou o ouro quando, aos 8’, descolou um passe rasteiro, vindo da esquerda. Dembélé apareceu sozinho no primeiro pau e arrematou de primeira. Costil nem tinha visto a bola e, por sorte do goleiro, ela saiu com capricho e com forte perigo, ao seu lado direito. A intensa pressão dos Gones acontecia, mas chances de gol, de fato, eram poucas.


Se chegar ao gol estava difícil, o problema poderia ser simplesmente a ausência de Aouar, que geralmente faz esse papel de ligação do meio de campo com o ataque. As ligações direitas eram recorrentes, ou então Bruno Guimarães e Caqueret se forçavam a avançar para tentar fazer a função. Mas, ao menos no primeiro tempo, não funcionava. Não à toa, Toko Ekambi, Memphis Depay e Dembélé praticamente sumiram na etapa inicial.

Na metade pra frente do primeiro tempo, o Bordeaux tentou forçar um equilíbrio do jogo, tentando manter mais a posse de bola. Mas se o Lyon tinha problemas no setor criativo, o Bordeaux era praticamente nulo nessa questão. Era inegável que se defendia bem, mas encontrava enormes dificuldades do meio pra frente. Dependia exclusivamente de um erro do Lyon, principalmente na saída de bola, para tentar incomodar. E isso era muito pouco.


Perto dos 40’ ainda do primeiro tempo, o Lyon teve dois momentos que poderia ter aproveitado bem a situação. Caqueret achou Dubois passando nas costas do defensor. O lateral recebeu a bola, carregou, mas não soube caprichar no cruzamento. Era a oportunidade quase inédita que surgiu no jogo. Depois disso, o OL teve mais um momento dentro da área do Bordeaux que, novamente, foi desperdiçada sem causar perigo.

A situação da primeira etapa foi tão desanimadora que Rudi Garcia, antes mesmo do apito do intervalo, já tinha colocado Kadewere, Jean Lucas e Thiago Mendes para aquecerem. Enquanto isso, o Bordeaux tentava chegar. As duas oportunidades que criaram no primeiro tempo foram de bola parada. E no finzinho dessa etapa final, quase chegaram. Não o fizeram porque Paul Baysse furou na hora H.


Na segunda etapa, claramente o Lyon voltava com uma postura mais ofensiva. Nenhuma troca por parte de Rudi Garcia para voltar ao campo, mas certamente houve uma chamada diferenciada no vestiário para os jogadores voltarem mais ligados no jogo. Dubois, por exemplo, quase aproveitou boa chance logo no comecinho. Se não fosse o zagueiro Baysse, Dembélé completaria para o gol. O defensor pressionou bem.

Em outra oportunidade criada pelo Lyon vinda pelo lado direito, a bola sobrou em ótimas condições para Toko Ekambi. Mas o centroavante, de forma muito atrapalhada, acabou concluindo com um chute que nem cruzou e nem finalizou. Imediatamente, isso chamou atenção do Rudi Garcia que, ali sim, mexeu no time. Colocou Thiago Mendes e Aouar para as estranhas saídas de Bruno Guimarães e Dembélé. Poderia, claramente, trocar outras peças.


Gasset respondeu com a entrada de Adli no lugar de Kalu. E antes deles mexerem de novo, com Briand e Maja nos lugares de De Préville e Hwang, enquanto Memphis Depay dava espaço para Kadewere, o Lyon conseguia chegar com ligeiro perigo mais uma vez. O mesmo Memphis Depay, que sairia minutos depois, dominou uma bola na entrada da área e deixou fácil para Thiago Mendes bater dali mesmo. A bola não entrou por detalhe. Passou perto. 

O Lyon melhorava consideravelmente, mas ainda tinha pouca chegada com chances reais de perigo. Talvez, a melhor do jogo foi criada por Aouar. Ele aproveitou que a defesa do Bordeaux saiu toda atrapalhada e recuperou a bola na entrada da área. Driblou o primeiro marcador e bateu com categoria no cantinho. Costil já estava batido no lance. Cornet aproveitou o rebote e mandou em cima da zaga.


Minutos depois, Rudi Garcia fazia sua quarta mexida, colocando Rayan Cherki para substituir Toko Ekambi. O jogo ganhava um pouco mais de intensidade na reta final. Os dois times não pareciam nada satisfeitos com o placar em branco. Mas, naquela altura, o relógio já era o maior inimigo de quem quisesse buscar o gol. E como a pressa é inimiga da perfeição, os jogadores começaram a ficar mais nervosos também e errarem lances fáceis.

Já no finzinho, Gasset percebeu que era melhor segurar o empate do que tomar um gol do Lyon nos últimos minutos. Mexeu de novo, tirando o meia Oudin para colocar o lateral Poundjé, recuando ainda mais o time. Mas nem mesmo os quatro minutos de acréscimos foi o suficiente para o Lyon tentar explorar ainda mais a defesa girondina para abrir o placar, que permaneceu em branco até o fim: 0 a 0!


O OL volta aos gramados rapidamente, já na próxima terça-feira (15), em partida válida pela 1ª rodada do Campeonato Francês, aquela, que havia sido adiada pelo fato do Lyon ter conseguido avançar e ir longe na Liga dos Campeões. O adversário será o Montpellier, no Stade de La Mosson. A partida está marcada para às 16h.

FOTOS: ol.fr | Getty Images
CAMPINHOS: L'Équipe


MELHORES MOMENTOS:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!