terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Le Podcast du Foot #135 - Paris vivo na Champions e o adeus de Rennes e OM

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi/Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


O PSG é o único francês dando conta do recado na UCL (Arte: terradezizou.com.br)

A 4ª rodada da UEFA Champions League foi divisora de águas para os três clubes franceses que disputam a fase de grupos. O Paris Saint-Germain venceu o RB Leipzig por 1 a 0 e ganhou fôlego na briga por uma vaga nas oitavas de final. O cenário se contrasta com Rennes e Olympique de Marseille, que foram batidos por Chelsea e Porto, respectivamente, e já estão matematicamente eliminados. A meta dos dois é tentar pegar a vaga na UEFA Europa League.

A situação dos três clubes franceses na UCL esteve em debate na edição #135 de Le Podcast du Foot. Eduardo Madeira recebeu Renato Gomes e Victor Hugo Rodrigues para discutir as possibilidades do PSG e as razões das quedas precoces dos Rouge et Noir e do OM.


OUÇA O MATERIAL NO DISPLAY ABAIXO:
 Agora, o material também pode ser assinado via ITUNESSPOTIFY e no GOOGLE PODCASTS!!!

Comente também no site do Eduardo Madeira e na minha coluna do Globoesporte.com! Ahh... passe lá na fan page da Ligue 1 Brasil no Facebook também!

Passe aqui depois e me diga o que achou. Deixe seu pitaco, sua dica, sua reclamação e também a sua pergunta. Você pode ter seu nome lido no programa. Seja corneteiro. Faça parte do podcast!


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 29 de novembro de 2020

Sem sustos, Lyon passa pelo Reims em jogo em que Bruno Guimarães marcou seu primeiro gol com a camisa do clube

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Expulsão do volante Cassamá, ainda no primeiro tempo, facilitou a vida do OL, que não correu nenhum risco no jogo




Comecinho da manhã de domingo no Brasil, horário do almoço na França. O Lyon abria os jogos do Campeonato Francês neste domingo, valendo pela 12ª rodada da competição. Em campo, mantendo uma invencibilidade que dura desde setembro. São 11 jogos e apenas uma derrota na Ligue 1 neste momento. Como adversário do dia, o Reims, que atualmente briga pelo não rebaixamento, entrando em campo na 17ª posição, somente uma acima da zona de play-off de queda. Um embate de dois times em situações bem distintas e com uma diferença técnica grande também.

Jogando em casa, o Lyon veio sem muitas novidades. A maior delas, é de fora do campo. O craque Houssem Aouar foi barrado pela diretoria do clube por indisciplina, ao se recusar a fazer um aquecimento após o jogo da semana passada e, por isso, sofreu uma sanção pelos gestores do clube. Sem ele, Rudi Garcia tinha todos os outros jogadores a sua disposição, inclusive Toko Ekambi e Cornet, suspensos e ausentes da partida passada. A única dúvida, no meio de campo, acabou sobrando para Caqueret, que ficava no banco. Assim ficou:


Já o Reims, também só tinha uma ausência para essa partida. E o Lyon poderia ficar sossegado em relação a lei do ex. Xavier Chavalerin, formado nas categorias de base do clube, ficava fora por lesão e sequer viajou com o clube. Fora isso, David Guion tinha todo mundo a sua disposição para a partida, inclusive o retorno do zagueiro Faes – um cabeludinho que fisicamente lembra muito o brasileiro David Luiz. Na imagem abaixo, você consegue visualizar os 11 iniciais do time visitante:


No comecinho da partida, o Lyon teve rapidamente uma excelente oportunidade para abrir o placar, logo aos 7’ de jogo. Em contra-ataque não muito rápido, puxado por Toko Ekambi, o camaronês avançou como quis pela direita e, sem qualquer marcação encostando, conseguiu chegar até a área e bater forte. A bola bateu firme na trave e saiu pela linha de fundo. Uma chance claríssima que só dependia do atacante.

A resposta do Reims surgiu quase que imediatamente e também em contra-ataque. Puxado pelo lado direito por Cafaro, após um ótimo lançamento. Cornet não apareceu nem na foto e o meia saiu em disparada. Ele conseguiu fazer o chute cruzado, tentando tirar do alcance de Anthony Lopes, mas pegou uma curva e acabou tomando o caminho pela linha de fundo. Seria uma das poucas oportunidades do time visitante na primeira etapa.


Aos 22’, o Lyon colocava a prova sua superioridade em campo. O gol parecia questão de tempo – e organização do time. E aconteceu quando Memphis Depay conseguiu fazer boa jogada pela esquerda e visualizou Toko Ekambi abrindo espaço do outro lado. Em um toque, o holandês acionou o camaronês no segundo pau, que só teve o trabalho de bater de primeira e abrir o placar no Groupama Stadium. Dessa vez, Toko Ekambi não desperdiçou: 1 a 0!

Com o placar aberto, o Lyon tinha mais tranquilidade para fazer o seu jogo com o domínio da posse de bola. Sem pressa para poder atacar as linhas do Reims. E isso tudo ficou ainda mais fácil, quando aos 32’ de jogo, o volante Moreto Cassamá acabou recebendo o cartão vermelho direito ao parar Memphis Depay com um carrinho por trás. O atacante do Lyon roubou uma bola na saída errada do adversário e iria sair sozinho em direção ao gol. OL com um a mais a partir de então.


Ainda no primeiro tempo, o Lyon teve uma dupla oportunidade criada no mesmo lance, aos 38’ de jogo. Na primeira oportunidade, Paquetá apareceu completando um cruzamento no segundo pau. Quase sem ângulo, chegou como dava, mas acabou errando o chute, mesmo sozinho. Na sequência do lance, brilhou a estrela de Kadewere, depois de dar uma caneta, deu sequência ao lance e em chute cruzado a bola entrou, mas ele estava impedido e o lance foi bem anulado.

Em resumo da primeira etapa, o Lyon foi bem melhor do que o seu adversário, mas faltou mais contundência. Com muita superioridade técnica e com um a mais desde os 32’, dava para ter ampliado mais o marcador e jogar com um pouco mais de intensidade na segunda metade da primeira etapa. Inofensivo, o time do Reims só conseguiu criar uma chance, em chute cruzado no comecinho e depois, nos acréscimos, com Dia – em boa intervenção de Lopes. Além disso, só teve o trabalho de defender.


Na volta do intervalo, o Lyon fez algo que já deveria ter feito no primeiro tempo: mais um gol! E esse gol saiu dos pés do brasileiro Bruno Guimarães. O volante fez o seu primeiro com a camisa dos Gones em jogada de fora da área. Ele viu o clarão e bateu. A bola não pegou muita força e acabou desviando em Munetsi. O desvio acabou enganando o goleiro Rajkovic e entrou do lado oposto. Logo no comecinho do segundo tempo: Lyon 2 a 0!

Depois do gol, começaram as mexidas. Quase que de imediato, David Guion colocou dois jogadores em campo Mbunku e Zeneli. Saíram Doumbia e Dia, o artilheiro do time na temporada. Logo depois, foi a vez de Rudi Garcia fazer sua troca, colocando Dembélé para jogar e tirando Tino Kadewere. E Dembélé entrou iluminado, já que praticamente no seu primeiro toque na bola, foi iluminado.


A jogada começou pelos pés de Cornet, no lado esquerdo do ataque. Ele fez uma jogada com Toko Ekambi, que rapidamente achou uma assistência para Dembélé, que apareceu entre os dois marcadores para sair frente a frente com Rajkovic. Com uma classe e sutileza, deu uma cavadinha e completou para as redes logo assim que pisou em campo. Dembélé deixando sua marca de centroavante muito técnico: Lyon 3 a 0!

Mais mexidas depois do gol. Três mexidas no Lyon com Diomandé, Cherki e De Sciglio, saindo Marcelo, Memphis Depay e Cornet. Pelo Reims, também houve trocas. Guion tirou dois jogadores: Touré e Cafaro para as entradas de Serhuis e Drammeh. E assim como na entrada de Dembélé, quase ocorreu o mesmo com Cherki. No primeiro toque dele na bola, recebeu de costas pro gol, fez o giro e bateu colocado. Passou com muito perigo e quase saiu o quarto gol. 


A melhor chance do Reims no segundo tempo e com um a menos, foi um chute de fora da área. Zeneli, com espaço, viu o clarão e finalizou meio de longe. A bola tinha o caminho do ângulo do Lyon e Lopes interferiu bem para evitar o gol de honra do time alvirrubro. Na sequência Caqueret entrar no lugar de Bruno Guimarães na última mexida do OL. Isso minutos antes de Cherki tentar de novo de fora da área e parar nas mãos do goleiro Rajkovic.

No finzinho da partida, o Lyon ainda teve mais duas ótimas oportunidades de gol. Na primeira, uma tabela entre Cherki e Paquetá. O brasileiro tentou duas vezes, cada uma com uma perna diferente, mas falhou. Em outra tentativa, foi Dembélé quem quase marcou em cobrança de falta. A bola passou perto do ângulo. No mais, terminava assim um jogo em que o OL praticamente não sofreu e ganhou com muita tranquilidade.


O próximo embate do Lyon será diante do Metz, no próximo domingo (6), mas não tão cedo como a partida de hoje. O encontro será às 16h do horário de Brasília, no Stade Saint-Symphorien. Será mais um jogo que o OL brigará pela parte de cima do Campeonato Francês, podendo até passar o PSG em pontos. Até lá!

FOTOS: ol.fr
CAMPINHOS: Ligue1.fr


OS MELHORES MOMENTOS:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sábado, 28 de novembro de 2020

Ligue 1 20/21 | 12ª Rodada - Lyon x Reims

 Filipe Frossard Papini

Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais




Na manhã deste domingo, o Lyon entra em campo mais uma vez. E agora, já de olho na liderança do Campeonato Francês. O time heptacampeão não perde desde setembro. São 11 partidas pela competição e somente apenas essa derrota para o Montpellier. Em caso de vitória, o OL poderá dormir na vice-colocação da Ligue 1 e somente três pontos atrás do líder PSG. Por outro lado, o Reims vem fazendo umas das piores campanhas até aqui e luta contra o rebaixamento, pisando no gramado como 17º colocado na tabela.

Para esse jogo, o Lyon, em teoria, iria com força máxima. Mas um problema ao longo da semana tirou de ação Houssem Aouar. Mas não por lesão, e sim por uma decisão da diretoria. O jogador, que não atuou na semana passada por estar retornando de lesão, se recusou a fazer uma preparação de aquecimento após a partida e sofreu uma sanção do clube. Ele sequer foi relacionado para essa rodada e possivelmente também para a próxima.

O Reims, por sua vez, quase também não vem com desfalques. O técnico David Guion, inclusive, tem um retorno importante na zaga: o cabeludinho Wout Faes retorna, está disponível, e deve ser titular no encontro. Por outro lado, Xavier Chavalerin, volante formado na base do Lyon, é o único desfalque do clube alvirrubro, que deposita todas as suas fichas no atacante Boulaye Dia, que já marcou oito gols na temporada,

O confronto entre Angers e Lyon acontece neste domingo (29/11), às 09h do horário de Brasília. No Brasil, agora o app e o site OneFootball transmitem os jogos do Campeonato Francês ao vivo e de graça. Basta acessar o site na hora do jogo e conferir. Abaixo, confira os relacionados e as prováveis escalações dos dois times.



LYON

GOLEIROS: Anthony LOPES e Julian POLLERSBECK;
LATERAIS: Léo DUBOIS, Melvin BARD e Mattia DE SCIGLIO;
ZAGUEIROS: Sinaly DIOMANDÉ, Djamel BENLAMRI, Jason DENAYER e MARCELO;
VOLANTES: JEAN LUCAS e THIAGO MENDES, Maxence CAQUERET e BRUNO GUIMARÃES;
MEIAS: Lucas PAQUETÁ;
ATACANTES: Moussa DEMBÉLÉ, Rayan CHERKI, Memphis DEPAY, Tino KADEWERE e Maxwel CORNET e Karl TOKO EKAMBI;
TÉCNICO: Rudi GARCIA;
DESFALQUESNenhum

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Lopes | Dubois, Denayer, Marcelo e Cornet | Thiago Mendes, Bruno Guimarães e Paquetá | Memphis Depay, Toko Ekambi e Kadewere


REIMS

GOLEIROS: Pedrag RAJKOVIĆ e Yehvann DIOUF;
LATERAIS: Thibault DE SMET, Fodé DOUCOURÉ, Thomas FOKET e Ghislain KONAN;
ZAGUEIROS: Yunis ABDELHAMID, Wout FAES e Dario MARESIĆ;
VOLANTES: Moreto CASSAMÁ, Mouhamadou DRAMMEH, Marshall MUNETSI;
MEIAS: Mathieu CAFARO, Moussa DOUMBIA, Dereck KUTESA, Nathanaël MBUKU e Arbër ZENELI;
ATACANTES: Hugo EKITIKE, Boulaye DIA, El Bilal TOURÉ e Kaj SIERHUIS;
TÉCNICO: David GUION;
DESFALQUESXavier CHAVELERIN

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Rajković | Foket, Faes, Abdelhamid e Konan | Cassamá, Munetsi, Mbunku e Cafaro | Touré e Dia


Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 22 de novembro de 2020

Em jogo apertado e na base da superação, Lyon vence o Angers fora de casa pelo placar mínimo e começa incomodar os líderes

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


O gol de Kadewere coloca o OL de vez na briga pelo topo da Ligue 1. Time assume, ao menos momentaneamente, a vice-liderança da competição




O Lyon entrou em campo com uma sequência das mais interessantes no Campeonato Francês, no começo da tarde deste domingo. Com apenas uma derrota na competição, lá no dia 15 de setembro. Já são quase dois meses sem saber o que é perder. Mas com essa missão de manter essa invencibilidade e ficar somente a quatro pontos de diferença do líder PSG. O grande desafio era vencer o Angers no Stade Raymond Kopa, time que vem fazendo uma campanha bem interessante até aqui e entrava em campo também na parte de cima da tabela.

Para tentar bater o Lyon, o time do técnico Stéphane Moulin veio com uma formação ousada para enfrentar um time tecnicamente superior, montada no 4-2-3-1, a montagem privilegiava o centroavante Bahoken e o meia Fulgini, as principais armas do clube alvinegro. Ainda assim, o time tinha problemas na sua montagem em função de desfalques. Além do suspenso Mangani, não tinha também Bamba, Ebosse, Boufal e Cabot. Abaixo, você pode conferir como ficou montado o Angers:


Já o Lyon vem sempre com mudanças a cada jogo. Fica sendo imprevisível. Mas, pelo menos dessa vez, o técnico do Lyon manteve a formação no 4-2-3-1, praticamente montado da mesma forma que o adversário do dia. Mas as trocas perpassam principalmente pelas duas ausências que o OL tinha hoje e ambas por suspensão: Cornet e Toko Ekambi. Na esquerda, entrou Bard e no ataque foi Cherki quem acabou assumindo a vaga. Aouar, voltando de lesão, acabou começando no banco e deu lugar a Caqueret. Veja como o Lyon entrou em campo:


No comecinho do jogo, era fácil perceber por qual motivo o Angers estava brigando na parte de cima da tabela do Campeonato Francês. Um time muito organizado e que assustava o Lyon em vários momentos nos primeiros momentos. E a compactação no meio campo acabava dando espaço para algumas escapadas de lado a lado. Bolas infiltradas parecia ser o grande segredo da partida e era dessa forma que as chances começavam a ser criadas.

A primeira chance real de gol aconteceu somente aos 23’ de jogo. Memphis Depay cobrou escanteio curto e recebeu de volta. Segurou um pouco e esperou o momento certo de fazer um cruzamento mais aberto. Na tentativa, achou a cabeça de Tino Kadewere, que chegou a desviar sutilmente antes da bola passar raspando na trave do goleiro Bernardoni, que já estava batido no lance e só ficou no golpe de vista.


Já perto dos 30’, o Angers fez sua primeira tentativa de gol. Em ótima jogada individual de Angelo Fulgini, ele conseguiu abrir espaço no meio de todo o meio campo do Lyon e achou um belo chute de fora da área. Lopes salvou não somente na finalização, como também no rebote. A resposta dos Gones apareceu no minuto seguinte, quando Lucas Paquetá apareceu pressionado pela defesa na área e, ainda assim, conseguiu fazer uma finalização de categoria, mas fácil para o goleiro.

O Angers chegaria com perigo de novo, poucos minutos depois. Rayan Cherki não conseguiu acompanhar Thioub na recomposição e acabou cedendo uma falta daquelas que são melhores do que um escanteio. Na cobrança, Capelle conseguiu fazer um cruzamento que passou por todo mundo. A bola pegou aquele veneno que complica a vida de todo goleiro. Mas com segurança, Lopes conseguiu espanar o perigo, que depois foi cortado pela defesa.


Já no finalzinho do primeiro tempo, o Lyon começou a ser praticamente engolido pela pressão do Angers. Com uma organização tática muito eficiente, o time da casa conseguia ser melhor em campo. Mas esbarrava na questão técnica. Tinha muitas dificuldades no último passe. Dependia extremamente dos lapsos de dois jogadores em especial: o meia Fulgini e do atacante Bahoken.

Em resumo, a primeira etapa foi um 0 a 0 que poderia ter acontecido de tudo. Desde uma goleada de lado a lado até um 2 a 2 eletrizante. Espaços e oportunidades não deixaram de acontecer. O que ficou faltando foi o detalhe. Da parte do Lyon, faltou qualidade também e principalmente um ímpeto ofensivo melhor. O time sentiu falta de Aouar? Sempre vai sentir, mas Memphis Depay, Kadewere e Cherki ficaram devendo também.


No segundo tempo, o Lyon parecia que ia abrir o placar logo cedo, em pênalti marcado por um suposto toque de mão. Mas o lance foi revisado pelo VAR e nada foi marcado. Logo em seguida, foi o Angers, com Doumbia, quem quase abriu o placar. Lopes foi salvador mais uma vez. Irritado com a postura do time, aos 14’ da etapa final, Rudi Garcia fez três mexidas. Tirou Bard, Cherki e Paquetá para colocar De Sciglio, Dembélé e Bruno Guimarães. Bard e Cherki, visivelmente chateados, foram direto pro vestiário.

As entradas colocaram gás novo no jogo. Bruno Guimarães rapidamente deixou Dembélé em ótimas condições de marcar o primeiro do jogo, mas foi pressionado pelo marcador. Em seguida, o mesmo Dembélé apareceria para completar um escanteio de Memphis Depay e cabecear. Mas nas mãos de Bernardoni. Imediatamente, Moulin percebeu que o Angers caiu de rendimento e mexeu duas vezes, com El Melali e Diony nos lugares de Thioub e Bahoken.


Só que as mudanças de Moulin, em vez de melhorar a situação do Angers, acabou complicando ainda mais. O Lyon virou o dominante da partida e quase abriu o placar aos 31’ do 2º tempo em uma jogada que talvez tenha sido a mais perigosa até o momento. Em jogada de Memphis Depay tabelando com Caqueret, eles acharam Dembélé saindo no meio da defesa. Ele recebeu, finalizou, mas parou em ótima defesa de Bernardoni.

Mas o gol, que parecia cada vez mais maduro, apareceu. Aos 33’, apareceu a estrela de Tino Kadewere. Ele, de novo, fazendo gol pelo Lyon. A jogada teve participação de Dembélé e assistência de Dubois, que com um toque da linha de fundo pra trás, matou toda a defesa do Angers. Kadewere teve tempo de dominar no peito e bater. A finalização foi fraca e estranha, mas o suficiente pra entrar: 1 a 0!


Depois do gol, os dois times mexeram de novo. O Lyon recuou. Colocou Diomandé no lugar de Dubois e entrou com uma formação de três defensores. No mesmo momento, o Angers colocou em campo Bobichon, Coulibaly e Cho, que entram nos lugares de Pereira Lage, Capelle e Fulgini. Mas a feição de desânimo de Stéphane Moulin já dava um indicativo que não tinha muito o que fazer, principalmente depois de ter tirado seus dois melhores jogadores: Bahoken e Fulgini.

Já nos acréscimos, o Lyon quase sofreu o empate. Thiago Mendes sentiu câimbras e resolveu deixar o jogo mesmo assim. Com um a menos momentaneamente, o time da casa pressionou e numa jogada rápida, Diomandé acabou salvando em cima da linha. Depois do sufoco, Jean Lucas entrou em campo na última alteração dos Gones. E mesmo com cinco minutos de acréscimos, o OL segurou o placar.


Lyon terá mais uma semana de folga do calendário até enfrentar o seu próximo desafio pela Ligue 1. Vai encarar o Reims, em jogo no Groupama Stadium, pela 12ª rodada do Campeonato Francês. O jogo será num horário um pouco inconveniente para quem gosta de esticar o sono no fim de semana: às 9h da manhã do próximo domingo, 29. Até lá!

FOTOS: ol.fr | angers-sco.fr
CAMPINHOS: Ligue1.fr


O GOL DA PARTIDA:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

sábado, 21 de novembro de 2020

Ligue 1 20/21 | 11ª Rodada - Angers x Lyon

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais




Depois de uma longa pausa de literalmente duas semanas, o Lyon volta aos gramados pela Ligue 1 neste domingo. Em jogo válido pela 11ª rodada da competição, os Gones vão até o oeste da França para visitar o Angers. O time alvinegro é atualmente o 9º colocado na competição e vem surpreendendo pelo desempenho positivo conquistado até aqui no Francesão. Já o OL entra em campo defendendo a 6ª colocação. Mas uma simples vitória, dependendo de combinações de resultados, poder fazer o Lyon terminar a rodada em segundo lugar, a apenas quatro pontos de distância do líder PSG.

Para tentar segurar o freio da ascensão do Lyon, o técnico do Angers, Stéphane Moulin, terá alguns problemas na montagem do seu elenco em função de alguns desfalques. Além do suspenso Mangani, ele não poderá contar com alguns jogadores que estão no departamento médico, como Bamba, Ebosse, Boufal e Cabot. Entretanto, pelo menos na parte ofensiva, o Angers não precisa se preocupar. O time que na última rodada goleou o Nîmes fora de casa por 5 a 1, praticamente terá todos os jogadores que marcaram naquele jogo, inclusive o centroavante Bahoken, ao qual o OL terá que ficar de olho.

E se o Angers tem problemas com lesões, o departamento médico do Lyon está praticamente de folga nessa semana. Liberaram Aouar para os treinos na quinta-feira e o meia, que era o único remanescente de lesões, liberou os médicos do clube, deixando zero dor de cabeça para Rudi Garcia. Mas, ainda assim, o técnico do OL terá dois desfalques para este jogo. Não poderá contar com Cornet e Toko Ekambi, ambos com suspensões a serem cumpridas. Por isso, um jovem jogador do time de transição acabou aparecendo na relação dos convocados pela primeira vez: Yaya Soumaré.

O confronto entre Angers e Lyon acontece neste domingo (08/11), às 13h do horário de Brasília. No Brasil, agora o app e o site OneFootball transmitem os jogos do Campeonato Francês ao vivo e de graça. Basta acessar o site na hora do jogo e conferir. Abaixo, confira os relacionados e as prováveis escalações dos dois times.



LYON

GOLEIROS: Anthony LOPES e Julian POLLERSBECK;
LATERAIS: Léo DUBOIS, Melvin BARD e Mattia DE SCIGLIO;
ZAGUEIROS: Sinaly DIOMANDÉ, Djamel BENLAMRI, Jason DENAYER e MARCELO;
VOLANTES: JEAN LUCAS e THIAGO MENDES, Maxence CAQUERET e BRUNO GUIMARÃES;
MEIAS: Houssem AOUAR e Lucas PAQUETÁ;
ATACANTES: Moussa DEMBÉLÉ, Rayan CHERKI, Memphis DEPAY, Tino KADEWERE e Yaya SOUMARÉ;
TÉCNICO: Rudi GARCIA;
DESFALQUESMaxwel CORNET e Karl TOKO EKAMBI

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Lopes | Dubois, Denayer, Marcelo e De Sciglio | Thiago Mendes, Caqueret, Paquetá e Aouar | Memphis Depay e Kadewere


ANGERS

GOLEIROS: Paul BERNARDONI e Ludovic BUTELLE;
LATERAIS: Souleyman DOUMBIA e Vincent MANCEAU;
ZAGUEIROS: Mateo PAVLOVIĆ, Romain THOMAS e Ismaël TRORÉ;
VOLANTES: Ibrahim AMADOU, Lassana COULIBALY e Zinédine OULD KHALED;
MEIAS: Pierrick CAPELLE, Antonin BOBICHON, Mathias PEREIRA LAGE e Angelo FULGINI;
ATACANTES: Sada THUOUB, Mohamed-Ali CHO, Farid EL MALALI, Rachid ALIOUI, Loïs DIONY e Stéphane BAHOKEN;
TÉCNICO: Stephane MOULIN;
DESFALQUES: Abdoulaye BAMBA, Enzo EBOSSE, Thomas MANGANI, Sofiane BOUFAL e Jimmy CABOT

PROVÁVEL ESCALAÇÃO: Bernardoni | Manceau, Troaré, Thomas e Doumbia | Amadou e Capelle | Thioub, Fulgini e Pereira Lage | Bahoken

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!

domingo, 8 de novembro de 2020

Ele sonhou e realizou! Tino Kadewere sai do banco e marca dois na virada do Lyon diante do Saint-Étienne no clássico

Filipe Frossard Papini
Twitter: @FilipeDidi / Twitter: @BrasiLyonnais
Facebook: /BrasiLyonnais / Medium: @BrasiLyonnais


Ontem, o atacante de Zimbábue tinha dito que havia sonhado que faria dois gols no derby. Promessa cumprida e vitória do Lyon após um primeiro tempo apagado




Tarde no Brasil, noite na França. O que importa é que era domingo de clássico na França. E clássico dos bons. Para muitos franceses, o maior e com mais bagagem de todo o país gaulês. Em campo, o Lyon abrindo as portas do Groupama Stadium para receber o seu maior rival, que pegou uma estrada de 50km para enfrenta-lo: o Saint-Étienne. Por conta da pandemia, uma partida sem as festas (e confusões) de parte a parte das torcidas organizadas. Mas ainda assim, um jogo carregando aquela áurea e o charme de um duelo de gigantes, com peso de camisa e muita história para contar.

De um lado, um Lyon outrora combalido e pior no campeonato, mas que já vem em uma ascensão interessante na competição e agora com foco direto na parte de cima da tabela. De desfalques, não muita coisa. Somente o suspenso Marcelo e o lesionado lateral De Sciglio. Isso permitiu que Rudi Garcia ousasse e colocasse em campo um time não muito igual ao que vinha optando. Caqueret, Bruno Guimarães e Dembélé voltaram ao time titular. Denayer, que vinha machucado, também retornava. Na imagem abaixo é possível ver como o OL vinha para esse início de clássico:


O Saint-Étienne, por sua vez, vive um momento diferente na temporada. Também de fora de todas as competições internacionais, o time do ex-treinador do OL, Claude Puel, parece ter forças somente para tentar evitar uma luta pelo rebaixamento nessa temporada. Somado a isso, o treinador ainda tinha vários problemas de departamento médico. Debuchy, Maçon, Retsos, Boudebouz e Nordin não estavam presentes e sequer viajaram. Mas Moukoudi e Trauuco estavam de volta. E isso era motivo de comemorar. Junto a isso, pela primeira vez, o volante Gourna-Douath começava jogando. Assim ficou escalado:


Como já era de se esperar de um bom clássico, ele começou bem movimentado. Logo no primeiro minuto, o ASSE assustou em bola parada. Cruzamento de Aouchiche fez a bola passar por todo mundo e chegar em Camara, que aparecia fechando na segunda trave. Ele conseguiu o cabeceio, mas Lopes apareceria logo de cara para fazer sua primeira intervenção. A primeira de muitas.

A resposta do OL apareceu quase dez minutos depois, e com rede balançando. Moussa Dembélé recebeu em profundidade e não teve muito trabalho para aparecer sozinho frente a frente com Moulin e colocar no cantinho, mas em posição de impedimento e acertadamente anulado pela arbitragem. Um lance que poderia ter dado contornos bem diferentes ao jogo se tivesse sido confirmado.


Mas não se engane, o Saint-Étienne era melhor no começo do jogo. Era quem mais conseguia criar oportunidades, principalmente em lances de velocidade. O ASSE dava campo para o OL jogar e deixava Bouanga e Abi espertos para ligarem os contra-ataques. E a ideia de Claude Puel vinha funcionando. Os Verts tiveram pelo menos três oportunidades, antes dos 20’ de abrir o placar, mas faltou detalhe.

Aos 31’, o Lyon teve mais uma jogada de perigo. Em lance de bola parada, Dembélé recebeu cruzamento na área e subiu mais alto que todo mundo e balançou as redes de novo. E mais uma vez foi anotada a posição de impedimento. Irretocável a interferência da arbitragem novamente e o centroavante do OL mais uma vez estava avançado. Tirando esses dois momentos de anulação, o OL praticamente não incomodava o goleiro Moulin.


A primeira chance real de gol do Lyon, fora os dois lances interrompidos pela arbitragem, aconteceu só aos 36’ de jogo. Em boa jogada pela direita com Dubois, Caqueret e Toko Ekambi. Na conclusão, Dembélé mandou por cima. Minutos depois, outra chance. Essa claríssima e a melhor do OL no 1º tempo. Aouar saiu sozinho em contra-ataque contra Moulin e na hora de finalizar foi pressionado e o goleiro do ASSE se deu melhor no lance.

A resposta do ASSE veio literalmente na sequência, com Bouanga. Ele recebeu em bola aérea e acabou forçando Lopes a executar mais um milagre. Mas na sequência do lance, o mesmo Bouanga seguiu jogo e ao tentar fazer um cruzamento, meio chute, acabou acertando uma finalização em direção ao gol, enganando Lopes, que tentou tirar e acabou colocando para o próprio gol: 1 a 0 aos 40’ da etapa inicial.


Na volta do segundo tempo, o Lyon logo de cara percebeu que o ASSE não diminuiria o ritmo. Muito pelo contrário. Voltaram melhores e ainda criando chances, como o chutaço do volante Neyou logo no comecinho do 2º tempo. Por isso, Rudi Garcia mexeu muito rapidamente, antes mesmo dos dez minutos. Colocou logo três nomes: Lucas Paquetá, Thiago Mendes e Tino Kadewere. Saíram Bruno Guimarães amarelado, Aouar sentindo dores e Dembélé, pistola com a mexida.

As mexidas surtiram efeito. E surtiu de forma rápida. O Lyon conseguiu chegar ao empate ainda aos 20’ do segundo tempo. E foi através de uma linda jogada ensaiada. Em cobrança de falta na entrada da área, Memphis Depay toca curto para Cornet aparecer atrás da barreira. Ele dá sequência ao lance e faz a assistência para Tino Kadewere antecipar-se a zaga e marcar de letra. Um belíssimo gol! 1 a 1!


Logo após o empate, Claude Puel fez sua primeira mexida no Saint-Étienne. Colocou em campo Hamouma no lugar do bom Aouchiche, que vinha sendo um dos principais jogadores do time em campo. Mas foi o Lyon quem quase marcou em seguida. Em lance de contra-ataque, Caqueret apareceu na entrada da área para finalizar e foi prensado. No rebote, Toko Ekambi bateu de primeira e acertou a trave de Moulin!

Não satisfeito com o gol de empate, o Lyon queria mais. As mexidas foram certeiras. E o segundo gol não demorou a sair. Uma jogada individual de Tino Kadewere pela esquerda, ele fez o que quis com o marcador, entrou na área e na hora de finalizar meio sem ângulo, o goleiro Moulin esperou o cruzamento e deu espaço para o atacante zimbabuano finalizar. E foi isso que ele fez e virou o jogo: 2 a 1!


Depois do gol, várias mexidas. Primeiro, Claude Puel colocou Khazri para a saída de Abi. Depois, foi Rudi Garcia quem abriu mão de Cornet por Bard. Na sequência, mais duas mexidas no ASSE com Mouffek e Rivera, tirando a dupla amarelada, Gourna-Douath e Youssouf. Em meio a essas mexidas, Anthony Lopes faria mais um milagre, ao salvar o resultado com uma defesa com os pés, na finalização de Hamouma.

Perto do fim do jogo, Rudi Garcia colocou Jean Lucas na sua última tacada e tirou Caqueret. No primeiro lance do brasileiro no jogo, ele pôs a mão na bola e o VAR pegou pênalti. Mas Bouanga foi pra bola e acabou chutando pra fora, já perto dos 45’ do 2º tempo. Os cinco minutos de acréscimos fizeram o ASSE pressionar bastante. Quase marcaram com Camara, mas o jogo terminou com a vitória do OL no clássico mesmo. Um verdadeiro jogaço, com todos os requintes de um derby, inclusive princípio de treta no finalzinho.


Depois da tensão do clássico e tudo que o circunda, o Lyon agora vai ter um período de paz e calmaria. A data fifa dará praticamente duas semanas de folga para o OL, que volta aos campos somente no dia 22 de novembro. Jogará fora de casa, no Stade Raymond Kopa, em partida válida pela 11ª rodada do Campeonato Francês. O duelo será num domingo, às 14h do horário de Brasília. Até lá! 


FOTOS: ol.fr | ASSE.fr | Getty Images
CAMPINHOS: Ligue1.fr


OS GOLS DA PARTIDA:
(se o vídeo acima não rodar. CLIQUE AQUI)

Quer mais informações sobre o Lyon via BrasiLyonnais? Clique nos botões abaixo e siga-nos!